Pilates: um aliado para melhorar a qualidade de vida na gestação

Pilates: um aliado para melhorar a qualidade de vida na gestação

21/09/2020

Atividade fortalece a musculatura e minimiza desconfortos, como a dor nas costas; Clinipam oferece a modalidade no Programa Gestante Bem Cuidada O Pilates é uma prática que combina respiração, alongamento e fortalecimento. A modalidade está na grade de aulas de muitas academias e faz parte das atividades oferecidas no Programa Gestante Bem Cuidada, da Clinipam, uma empresa do Grupo NotreDame Intermédica. Essa atividade é realizada em parceria com o Centro de Qualidade de Vida (CQV), uma unidade especializada na prevenção e controle de doenças crônicas. Em razão da pandemia, as beneficiárias do Paraná e Santa Catarina podem participar das aulas promovidas online, por meio da plataforma zoom, às terças e quintas, às 15h e 19h. Para mais informações, entrar em contato via email: gestantebemcuidada@clinipam.com.br. Taciana Bonete, gerente do CQV e idealizadora do Programa Gestante Bem Cuidada conta que se o obstetra liberar, os exercícios físicos estão podem ser realizados na gravidez. “No período gestacional, a atividade deve ser de baixo impacto e intensidade leve a moderada. Movimentar-se é de extrema importância para a mãe e para o bebê porque oferece muitos benefícios, como: controle do peso, prevenção de diabetes gestacional e aumenta a chance de sucesso do parto normal”, explica. Além dos benefícios tradicionais do exercício físico, a aplicação dos princípios do Método Pilates reduz os desconfortos durante a gestação. A atividade fortalece a musculatura da região pélvica, que é primordial para evitar os escapes urinários. Os exercícios também promovem alongamento e fortalecimento muscular, que minimizam as tão temidas dores na coluna. Você conhece o Programa Gestante Bem Cuidada? O Programa Gestante Bem Cuidada foi implantado em maio de 2018 em Curitiba e, recentemente, foi estendido para Santa Catarina. É composto por uma equipe selecionada que inclui enfermeiras e enfermeiras obstétricas e médicos obstetras que atendem consultas de pré-natal das gestações de risco habitual e de alto risco. Já atendeu mais de 1.800 gestantes na capital do Paraná e região metropolitana e 47 gestantes catarinenses. Taciana relata que um dos principais objetivos do Programa é realizar o acolhimento, vínculo em todo o período gestacional e emponderar as mulheres para o parto e pós parto. “Para isso, o Gestante Bem Cuidada permeia suas atividades nas boas práticas de assistência a gestante, parturiente e puérpera com orientações baseadas em evidências científicas atuais. A gestante que faz parte do programa pode usufruir de forma gratuita de todas as ações que o Programa oferece”.   Confira os cursos realizados pelo Programa Gestante Bem Cuidada:   ALEITAMENTO MATERNO: Aborda sobre a pega correta, posição para a mamada, duração, cuidados com as mamas, como tratar ingurgitamento mamário, entre outros.  GESTAÇÃO: Aborda as principais mudanças fisiológicas que ocorrem durante a gestação, os aspectos psicológicos e a prática de atividade física. Presença da psicóloga, fisioterapeuta e enfermeira obstétrica. CUIDADOS COM O BEBÊ: Aborda os principais cuidados com o recém-nascido, contato pele a pele, mamada, cuidados com o coto umbilical, vacinas, banho, entre outros. TRABALHO DE PARTO & PARTO: Aborda sobre as vantagens e desvantagens do parto normal e do parto cesárea, métodos de alívio da dor, analgesia, boas práticas na assistência ao parto, parto humanizado, entre outros. OFICINA PLANO DE PARTO: Aborda a elaboração do plano de parto baseado nas boas práticas da assistência ao trabalho de parto, parto e puerpério. No momento, todos os grupos ocorrem de forma online na Plataforma Teams, sempre às quartas-feiras, das 19h30 às 21h30.

Mudança de Atendimento no Centro Clínico Cabral/Boa Vista

Mudança de Atendimento no Centro Clínico Cabral/Boa Vista

17/09/2020

Prezado beneficiário, Comunicamos que, desde 14/09/2020 (segunda-feira), o Centro Clínico Cabral deixou de realizar atendimento com plantonista por ordem de chegada.  Para se consultar com clínico geral por ordem de chegada em Curitiba e região, sem necessidade de agendamento (busca direta), você deve se direcionar para os seguintes centros clínicos: Pacientes com sintomas gripais: Centro Clínico Boqueirão - Av. Mal. Floriano Peixoto, 7481 | Hospital Ônix Mateus Leme - R. Mateus Leme, 2600 Demais casos: Centro Clínico Pinheirinho - Av. Winston Churchill, 1654 | Centro Clínico São José dos Pinhais - Av. Rocha Pombo, 1663 | Centro Clínico Centro 3° Andar - Rua Monsenhor Celso, 98 Confira os horários de atendimento em nosso site.

Setembro amarelo: como cuidar da saúde mental

Setembro amarelo: como cuidar da saúde mental

14/09/2020

Nosso objetivo nesse post é esclarecer dúvidas sobre a depressão sem causar pânico; autoconhecimento é essencial para saúde mentalO Setembro Amarelo é o mês dedicado à conscientização sobre a prevenção ao suicídio – consequência mais grave da depressão. No entanto, essa é uma oportunidade também para falar sobre essa doença, conhecida como “mal do século”. Nossa intenção no post de hoje não é causar pânico, porque já estamos fartos de notícias negativas: principalmente neste momento, em que muitos relacionam a pandemia aos distúrbios mentais. Mesmo porque ainda não há dados oficiais a respeito, capazes de dizer se o Coronavírus de fato impactou no aumento de psicopatias. É de consenso comum que a Covid-19 colocou a população do mundo todo em alerta e as mudanças impostas por ela, como o isolamento social, o cenário de incertezas em relação ao futuro, além do medo de perder o emprego e, sobretudo, a vida, deixaram as pessoas emocionalmente abaladas. No entanto, momentos de tristezas, insatisfação e frustração são inerentes à natureza humana e nem sempre evoluem para um quadro depressivo que caracterize um transtorno mental. Por isso, é precoce dizer que haverá um efeito manada de depressão em todo o planeta como consequência do Coronavírus. Nem todo mundo que passou por momentos de inquietação e de montanhas russa emocional irá entrar para as estatísticas de pacientes que sofrem de doença mental. A depressão pode surgir em decorrência da pandemia em indivíduos que já tem uma predisposição a esse transtorno e podem desenvolvê-lo em um momento de crise, como essa que estamos vivendo, mas não é uma regra geral, de acordo com a psicóloga Andrieli Viana Milarck (CRP 08-19675), da Unidade de Psicologia da Clinipam. Ela explica que não existe um gatilho único que desencadeia a depressão. “Depende de pessoa para pessoa. Em algumas pode vir sem causa aparente ou pode surgir de uma separação ou de um luto, por exemplo. É importante esclarecer que caracterizamos como doença mental tudo o que nos tira do equilíbrio. Portanto, ter saúde mental é estar em e equilíbrio com você mesmo”, informa a psicóloga. Tristeza ou depressão? A depressão é uma doença mental que pode ser tratada, como as outras enfermidades. Sua principal diferença é que não pode ser checada por meio de exames laboratoriais ou um raio-X. Por isso, o diagnóstico de transtornos mentais é mais complexo. As pessoas devem procurar ajuda médica quando sentem – ou os familiares percebem – que apresentam alteração nas atividades diárias que realizavam antes sem dificuldades, como dormir, comer e frequentar lugares. “A alteração no humor e as dores físicas sem diagnóstico, entre outros sintomas, também caracterizam a depressão”, diz Andrieli. Nesses casos, profissionais da psicologia e da psiquiatra são os mais indicados para o tratamento, que vai envolver terapia psicológica e prescrição de medicamentos. Essas duas formas de tratamento podem ser isoladas ou conjugadas, tudo vai depender do estado do paciente. “Ele terá alta quando conseguir alcançar uma vida em equilíbrio. O autoconhecimento é essencial para termos saúde mental e é algo que adquirimos fazendo terapia. Com essa prática aprendemos a conhecer nossos comportamentos. Na terapia passamos a enxergar como reagimos perante a vida e se a maneira como reagimos é o ideal para termos boa saúde mental”, finaliza Andrieli.

Clinipam está entre as melhores empresas para o consumidor pelo Prêmio Época Reclame

Clinipam está entre as melhores empresas para o consumidor pelo Prêmio Época Reclame

04/09/2020

Operadora investe em canais presencial, telefônico e virtual para atender diferentes perfis de clientes no PR e em SCA Clinipam, uma empresa do Grupo NotreDame Intermédica, está concorrendo novamente ao Prêmio Época Reclame Aqui na categoria operadoras de saúde. A métrica do Reclame Aqui classifica para o prêmio apenas as empresas que atingiram a avaliação de Bom ou Ótimo feita pelos consumidores. No ano passado, a empresa ficou em 4º lugar e contabilizou mais de 13 mil votos. A votação deste ano já começou e vai até o dia 31 de outubro, por meio do link: https://premio.reclameaqui.com.br/votacao. A classificação para concorrer à premiação chancela a preocupação da Clinipam em oferecer o melhor cuidado da saúde dos beneficiários. Para Franciele Caldas, gestora das áreas de Ouvidoria e Qualidade, o atendimento ao consumidor é considerado uma “ópera”, na qual a encenação dos colaboradores, cada qual com seu instrumento, acontece em perfeita harmonia. Todos os canais – presencial, telefônico e virtual - precisam seguir a mesma sintonia para encantar os clientes. “É assim que conduzimos nossa orquestra. Nossas boas práticas de atendimento vão de ponta a ponta. Geralmente, as pessoas ligam e precisam ser bem atendidas pelo telefone. No contato presencial, quando chegam à unidade, temos que oferecer, presencialmente, a mesma experiência satisfatória que começou no canal digital ou no telefone. E assim por diante, até o encerramento da consulta ou do procedimento”, diz Franciele.  Ela acrescenta que, a prestação de serviço de assistência médica possui uma particularidade: por cuidar do bem mais precioso das pessoas, a sua saúde e o bem-estar dos pais, filhos e cônjuges, exige excelência em todas às etapas do atendimento. “O alto índice de satisfação dos clientes da Clinipam se deve à rapidez na resolução dos problemas. Não damos simplesmente uma resposta automática. Estamos preocupados em resolver, de fato, o problema do beneficiário”, acrescenta Franciele. Além disso, a agilidade em entender as necessidades dos novos consumidores, é outro fator que posiciona a Clinipam na vanguarda quando o assunto é o atendimento ao cliente. “A empresa se adaptou bem às transformações e entendeu que consumidor moderno quer autonomia para resolver tudo sozinho e encontrar a solução para todos os seus problemas na palma da mão. Oferecemos SAC, agendamento de consultas e exames e até um aplicativo que presta orientações sobre o estado de saúde online, chamado Dr. Clinipam, desde 2018. Com a chegada repentina da pandemia a telemedicina ganhou destaque por evitar as aglomerações na unidade da saúde. E graças ao pioneirismo do Dr. Clinipam, já estávamos preparados para a nova demanda, com uma resposta muito positiva dos nossos clientes”, afirma Mario Sergio Saddy, CEO da Clinipam. Premiação O prêmio surgiu há nove anos a partir de uma iniciativa do site Reclame Aqui para reconhecer as empresas que são referência em atendimento. Em 2013, a Revista Época se juntou ao projeto e fortaleceu ainda mais a premiação, levando para a revista o Guia das Melhores Empresas para o Consumidor, com a publicação dos vencedores em uma edição especial da revista.

Realizada e feliz, Josiane comemora 14 anos de trabalho na Clinipam

Realizada e feliz, Josiane comemora 14 anos de trabalho na Clinipam

01/09/2020

A definição do papel do gestor se assemelha à figura de um professor, que estimula a busca pelo conhecimento e atua como um facilitador no processo de aprendizado. Ambos são os responsáveis pelo desenvolvimento das pessoas. É assim que se sente a supervisora da unidade Sênior da Clinipam, Josiane Cristina de Castro Bitencourt da Silveira. Ela trabalha na Clinipam há 14 anos e ao olhar para trás e fazer um balanço da carreira se sente realizada justamente pelo fato de cumprir a função de mestre e ajudar tantos colegas a galgarem novas posições na operadora. Ela já perdeu as contas de quantas pessoas indicou para cargos melhores. “Já ajudei muitos colaboradores a crescerem e recebo até hoje mensagens de carinho e agradecimento”, conta Josiane. Graças a essa vocação de estender sempre a mão para os colegas e estar disposta sempre a ensinar é conhecida como “mãezona” pela equipe. A supervisora acredita que seu maior talento é mesmo na área de gerenciar as pessoas e os resultados colhidos até agora reforçam esse pensamento. Josiane virou uma colecionadora de troféus: as unidades que ela comandou, Cabral e Colombo, ganharam três prêmios de atendimento.   Sempre presente na recepção, Josiane faz questão de verificar como está o atendimento corpo a corpo com os clientes, principalmente entre o público dos idosos, que não abre mão do contato presencial. Com olhos clínicos no estágio atrás do balcão, Josiane consegue compreender as necessidades dos beneficiários e passar para a equipe que coordena tudo aquilo que pode ser melhorado para garantir a satisfação dos clientes. “Temos que prestar um atendimento humanizado, exercitar a empatia e resolver, de qualquer forma, o problema do paciente”, afirma Josiane. E o perfil acolhedor da supervisora não faz distinção no trato com os beneficiários e com os colaboradores. Com todos a sua volta Josiane se expressa por meio da linguagem do amor e suas atitudes são o melhor exemplo sobre a importância de se colocar no lugar do outro. “Eu gosto de fazer sempre o melhor, independente para quem seja. É isso que me deixa realizada. Sempre fui pró ativa e isso é o reflexo do amor que sinto pelo meu trabalho. A gestão de pessoas é demais!”, conclui Josiane. Depois de passar pelas funções de teleatendimento, auxiliar administrativa e analista, a dedicação de Josiane a conduziu para o cargo de supervisora. Mas ela não quer parar de crescer e agora está cursando a faculdade de Processos Gerenciais. Para os sonhos de Josiane, nem o céu é o limite. Ainda bem. Sabe aquele famosa relação do ganha-ganha, que sempre ouvimos falar? É assim com a presença de Josiane na Clinipam: ela alcança a realização profissional a cada nova conquista, os colaboradores que trabalham com a supervisora têm a oportunidade de aprender com uma líder próxima e sempre disponível para ajudar, além dos clientes, que contam com um sorriso e palavras amigas na recepção e muita garra para resolver todas as situações lá nos bastidores.

Você já ouviu falar em nutrição amorosa?

Você já ouviu falar em nutrição amorosa?

31/08/2020

Nutricionista da Clinipam ensina que a alimentação balanceada é uma forma de amor próprio e está em sintonia com os novos valores adotados na pandemiaO Dia do Nutricionista é celebrado em 31 de agosto e para homenagear esses profissionais que fazem parte da linha de cuidados do plano de saúde Clinipam, uma empresa do grupo NotreDame Intermédica, nosso post de hoje é sobre a alimentação balanceada vista sob a ótica do conceito de nutrição amorosa. E quem nos ajuda a entender esse movimento complexo, que coloca o autocuidado no centro da nossa atenção, é a nutricionista Danusa Yanes, que faz parte da equipe no Centro de Qualidade de Vida (CQV) da Clinipam. Esse, aliás, é o momento propício para fazer uma reflexão sobre a importância de uma pausa diária para cuidar de nós mesmos. E o lado B da pandemia da Covid-19 está justamente na revisão dos nossos valores, na importância de vislumbrar um futuro, mas com os pés no presente, na importância do viver bem no aqui e agora. Danusa ressalta que o começo de todo esse processo é cuidar da saúde: uma forma de praticar o amor próprio, algo que ninguém mais pode fazer por nós. A autoestima passa pelo autoconhecimento e a consciência sobre nossas necessidades corporais, mentais e psicológicas. E a nutrição faz parte dessa tríade, mas o apego à ideia do corpo perfeito desvirtuou as práticas do nutricionismo, que estimulou a contagem das calorias, a obrigatoriedade de itens coloridos nos pratos como forma de alcançar a saúde, sem falar na dietas restritivas que caíram no modismo e que tiraram do prato alguns grupos de alimentos e, junto com eles, eliminaram o prazer que está relacionado ao pão nosso de cada dia. Na visão de Danusa, o nutricionismo contribuiu com essa neurose e acabou por transformar a alimentação em uma necessidade estritamente fisiológica, quando na verdade, a cerimônia de fazer uma pausa para a refeição – para repor as energias em todos os sentidos e não apenas no literal - e compartilhar o momento junto com a família, com os amigos ou consigo mesmo, vai além do aspecto nutricional. Para ela, é a retomada dos valores que rementem à alimentação da alma, do prazer e da sensação de aconchego e bem-estar que estão ligados às receitas e aos encontros em torno da mesa, que a nutrição amorosa deseja resgatar. Danusa acrescenta que vivemos rodeados de estresse, num mundo muito competitivo. E essa concorrência desmedida engloba a nossa aparência e interfere na autoestima, já que a tendência é de que as pessoas, sobretudo as mulheres, sofram para alcançar a imagem estereotipada imposta pela mídia. E, nesse sentido, a autoaceitação é um dos caminhos para alcançar o amor próprio. “Em primeiro lugar, quero salientar que se aceitar não é sinônimo de desleixo como muitos pensam. A autoaceitação verdadeira está na essência e, uma vez trazida à tona, transforma sua autoestima, trazendo um novo brilho para si”, diz. Menos regras e mais amor em torno da alimentação O amor próprio passa primeiramente por dedicar um tempo para cultivar hábitos saudáveis, como praticar exercícios físicos e cuidar da alimentação tendo a saúde como foco e não o corpo perfeito: fazer as pazes com a balança e com o espelho é o destino final na caminhada que percorremos para encontrar a autoestima. E o conceito de nutrição amorosa cabe como uma luva para quem deseja investir no autocuidado porque valoriza a apreciação dos momentos e nos convida a estarmos mais presentes, de corpo e mente, nas tarefas do dia. “Precisamos de menos regras alimentares, de menos alimentos proibidos e permitidos, menos rótulos e críticas e mais capacidade de escolhas. Somos livres e temos o direito de escolhermos o que nos faz bem, mas devemos ter consciência das nossas preferências”, diz Danusa. Ela complementa que o movimento da nutrição amorosa incentiva o retorno para as nossas raízes e a recuperação do sentimento de amor pela cozinha, de reservar um tempo para escolher os alimentos e preparar a própria refeição, como faziam nossos antepassados. “Ser amoroso com a alimentação, privilegiar a comida de verdade, aquela que brota da terra, é uma forma de autocuidado. E com esse olhar amoroso para uma das nossas necessidades mais básicas, que é a alimentação, aprendemos a levar a vida mais leve, diminuindo as frustrações e a culpa em torno de uma nutrição rigorosa, que finalmente está começando a ser desconstruída pelos próprios nutricionistas. Comida é necessidade, mas também é arte, prazer, convívio social, cultura. É experimentar os cinco sentidos em uma refeição, nas texturas, cores, cheiros, sabores. É fazer uma conexão com você mesmo e as pazes com a comida, e assim, comer nem muito e nem pouco, mas o suficiente. É estar de bem consigo mesmo”, pondera Vanusa. Comer sem culpa aquele doce que você adora é um dos atributos da nutrição amorosa. O segredo é saber quando apreciar uma guloseima e a hora certa de parar quando o corpo der sinais de saciedade. “Temos que aprender a respeitar o corpo, ouvir a fome real e diferenciá-la daquela que vêm de emoções do dia a dia. O autocuidado nos inspira a lidar com essas emoções, e se não conseguir sozinho, buscar ajuda de um profissional é essencial. Se cuidar é tomar bastante água e estar bem-hidratado. É agradecer pelo alimento do dia, é comer pra satisfazer as necessidades fisiológicas do organismo. É apreciar cada alimento que é ingerido, na companhia das pessoas que você mais ama e isso inclui você mesmo. É entender que exageros de qualquer espécie, fazem mal, mas que de vez em quando, como numa festa ou em uma ocasião especial, você pode cometer algum deslize e está tudo bem! No dia seguinte é só voltar à alimentação habitual. Seu corpo saberá lidar com a situação”, observa Danusa. Confira agora as 5 dicas da nutricionista da Clinipam para adotar uma alimentação balanceada e, ao mesmo tempo, incorporar o conceito da nutrição amorosa no seu dia a dia. 1. Fuja dos alimentos ultraprocessados, ou seja: descascar mais e desempacotar e tirar menos da lata. 2. Resgate o livro de receitas da sua avó e prepare com seus filhos aqueles pratos que lhe conferem memória afetiva. Repasse esse cardápio da sua família para as próximas gerações. Vai fazer bem para a saúde, sobretudo do coração. 3. O carboidrato não é um vilão. Esse alimento é o combustível do nosso corpo. Apenas prefira os carboidratos do bem que são encontrados nas farinhas e grãos integrais e nas frutas. Excluir o carboidrato da refeição gera um desequilíbrio, à medida que há um aumento no consumo da proteína. Fique atento a isso! 4. O bom e velho modelo do prato ideal nunca sai de moda. Metade da refeição, NO MÍNIMO, deve ser composta pelas hortaliças, 1 porção de carboidrato e 1 porção de proteína. 5. Prefira as frutas e verduras da estação porque têm menos agrotóxico: a mãe natureza não erra nunca e vai trazer uma variedade de cores e nutrientes para sua mesa em todas as estações do ano. Além disso, esse hábito vai fazer bem para seu bolso. Por último, lembre-se que os orgânicos e alimentos cultivados na nossa região serão sempre os melhores, porque precisam de menos aditivos para suportar a longa duração. De quebra, você vai ajudar a sustentar a economia local. Faça parte desse círculo virtuoso por você pela sua comunidade!

Personalização é um dos diferenciais dos planos corporativos Clinipam

Personalização é um dos diferenciais dos planos corporativos Clinipam

31/08/2020

A Clinipam faz um diagnóstico e desenvolve uma solução de acordo com as necessidades dos colaboradores de cada empresa, com foco na medicina preventiva e na qualidade de vida Para a Clinipam, a saúde do colaborador da sua empresa é coisa séria. Você sabia que nos últimos dez anos, o Brasil registrou um crescimento de 25% no número de afastamento por doenças relacionadas ao trabalho? As informações são do Anuário do Sistema Público de Emprego e Renda do Dieese. Diminuir o absenteísmo, inclusive, é uma das preocupações da Clinipam e dos diferenciais dos planos corporativos que a operadora oferece. Com foco no cuidado da saúde de forma integral, a empresa realiza um diagnóstico para saber quais são as principais causas da ausência dos colaboradores no trabalho junto aos clientes. A partir da identificação dos problemas, a Clinipam consegue propor projetos de qualidade de vida e em outras áreas, sempre de olho na prevenção para evitar doenças. Nossa gerência médica auxilia os profissionais que operam na Saúde Ocupacional para entender as razões das faltas e tornar a gestão do absenteísmo mais eficiente.  Um exemplo é o Centro de Qualidade de Vida (CQV) da Clinipam, que investe em um conjunto de ações em saúde ocupacional, que vão da atenção primária a programas contra a obesidade e o tabagismo. Todos são alinhados com a cultura da organização e incluem até mesmo ações pontuais in company. Rejane, Gerente Pós-Vendas Corporativo da Clinipam, destaca que o atendimento aos clientes corporativos é personalizado e leva em conta o perfil dos colaboradores. “Conhecemos as dores de cada um de nossos clientes e trazemos propostas rápidas para eles. Nosso serviço é mais completo que um plano de saúde empresarial convencional porque não tratamos a saúde do seu colaborador como commodity. Atuamos com um perfil consultivo e indicamos o melhor caminho, um contrato que seja, de fato, aproveitado por toda equipe. Em outras palavras, não vendemos somente um produto, mas uma proposta de valor, baseada no cuidado da saúde de forma integral”, diz.   Em 2018, por exemplo, a Clinipam realizou uma ação de prevenção ao tabagismo em um cliente. Foram captados todos os trabalhadores que gostariam de abandonar o cigarro e o resultado foi surpreendente: após o término das atividades, que foram realizadas em grupos, 100% dos participantes pararam de fumar.   Proximidade com o cliente A relação de proximidade com os clientes corporativos é mais um dos diferenciais da Clinipam. A operadora disponibiliza um canal exclusivo para o RH das empresas, ou seja, uma equipe de back office que está focada nas necessidades de cada um dos clientes corporativos. Os diretores das empresas ou profissionais dos departamento de recursos humanos podem entrar em contato com a equipe da Clinipam por email, telefone ou whatssap, com praticidade e sem burocracias. A rapidez e a transparência da Clinipam na solução dos problemas são atributos reconhecidos pelo mercado quando o assunto é o atendimento aos clientes de planos corporativos.  Além disso, em tempos de pandemia da Covid-19, a Clinipam está preparada para atender os colaboradores e assegurar a saúde do paciente e dos seus familiares, evitando aglomerações e o risco de contrair o Coronavírus em nossas unidades, hospitais e clínicas de médicos credenciados.   Com expertise em consultas à distância, a operadora lançou, há dois anos, o aplicativo Dr. Clinipam. O app disponibiliza uma equipe de profissionais de saúde online, capacitada para fornecer orientações médicas em tempo real, 24 horas, todos os dias da semana.  Além disso, com a telemedicina, os beneficiários podem continuar o tratamento com os nossos especialistas em casa e em segurança. A telemedicina é a prestação de serviço médico à distância utilizando meios tecnológicos de informação para isso, como telefone, aplicativo, videochamada, entre outros.

Como parar de fumar?

Como parar de fumar?

29/08/2020

Médico e psicólogo participam do Grupo de Tabagismo do CQV, da Clinipam, e ajudam beneficiários de planos corporativos a se libertarem da dependência do tabacoEm 29 de agosto é Dia Nacional de Combate ao Fumo e a data é uma oportunidade para falar sobre um dos desafios da medicina preventiva: parar de fumar é uma providência urgente para quem quer viver mais e melhor. Afinal, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera o tabagismo como a principal causa de morte evitável. De fato, os números são impactantes: o cigarro faz 7 milhões de óbitos por ano, sendo que a causa de 10% dessas mortes - que correspondem a 800 mil casos - podem ser atribuídas ao tabagismo passivo.O tabagismo no BrasilDe acordo com a última pesquisa do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), 9,3% dos brasileiros afirmaram ter o hábito de fumar, em 2018, contra 15,7%, em 2006. Nos últimos 13 anos, a população brasileira submetida à entrevista, diminuiu em 40% o consumo do tabaco. O estudo demonstra também que o consumo vem caindo em todas as faixas etárias: de 18 a 24 anos de idade (12% em 2006 e 6,7%, em 2018), 35 e 44 anos (18,5% em 2006 e 9,1% em 2018); e entre 45 a 54 anos (22,6% em 2006 e 11,1% em 2018). Entre as mulheres, a redução do hábito de fumar alcançou 44%.O Centro de Qualidade de Vida (CQV) da Clinipam, uma empresa do Grupo NotreDame Intermédica, é um centro clínico especializado no tratamento de doenças crônicas. O CQV oferece um programa direcionado aos fumantes que querem deixar de lado essa dependência. Nossos beneficiários podem participar dos grupos online Pitadas de Saúde, que contam com acompanhamento psicológico para dar suporte e apoio para quem deseja começar seu tratamento. E no grupo Pitadas de Saúde Mindfulness, os participantes têm acesso a práticas da psicologia que ajudam na manutenção de seu tratamento. Taciana Bonete, que está à frente do CQV, explica que os encontros online acontecem uma vez por semana com especialistas no assunto. Nas ações em grupo, o foco é troca de experiências e o apoio mútuo dentro do grupo dos próprios fumantes. “Oferecemos tratamento farmacológico, além de uma abordagem cognitiva e comportamental. Nosso índice de sucesso é alto: 60% dos dependentes tratados pelo programa conseguiram parar de fumar”, diz Taciana. Uma delas é Luna Eluise de Mello. Segundo a beneficiária, as reuniões eram momentos onde os participantes eram sinceros e honestos e encontravam espaço para falar sobre seus sentimentos com relação ao vício. “Éramos acompanhados por um médico simpático e uma psicóloga amiga que nos ajudavam com as nossas dúvidas e sempre davam conselhos sobre como lidar com a abstinência. Foi um processo muito bom e realmente me ajudou por ter pessoas que entendiam pelo que o eu estava passando. Com o início da quarentena entramos no processo do online, fizemos algumas sessões a distância e mesmo assim a conversa sempre ajudava e acalmava os ânimos. Já estou sem fumar há quase seis meses! E sinto que de todo esse período de tempo, o início foi o mais difícil, por isso os encontros foram tão importantes! Não é fácil estabelecer um dia e mudar os hábitos, mas aconselho todos a tentarem! Deem uma chance pra vida! Vale muito a pena”, comemora Luna.Você, beneficiário da Clinipam, pode participar já do Pitadas de Saúde. Acesse e faça sua inscrição: https://forms.gle/14dtkLQDQUpbsVV77E se você que faz algum acompanhamento para se livrar do tabagismo, o CQV também oferece o grupo online Pitadas de Saúde Mindfulness, que te dará todo apoio na manutenção de seu tratamento. Acesse: https://forms.gle/5VvpwCdMiZoHaH5B6Ações personalizadas in companyO Programa de Tabagismo é difundido nas empresas que contrataram o plano corporativo da Clinipam. As ações in company promovidas pela operadora realiza uma palestra junto aos colaboradores, além de entrevistas individuais e inclusão nos grupos. Não faltam motivos para demonstrar porque vale a pena apagar a cigarro definitivamente da vida dos fumantes.

Por que a amamentação cruzada é contraindicada?

Por que a amamentação cruzada é contraindicada?

11/08/2020

É consenso entre os profissionais da saúde do mundo todo que o leite materno é o alimento mais completo para os recém-nascidos até os seis meses de vida. Por isso, muitas mães fazem qualquer negócio para oferecê-lo para seus filhos. Antigamente, as mulheres que não conseguiam amamentar seu bebê recorriam às amas de leite. Essa prática é chamada cientificamente de amamentação cruzada e é contraindicada desde 1985, quando o vírus da Aids começou a ser disseminado mundo afora. A desaprovação formal dessa prática foi feita pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O motivo é que a amamentação cruzada apresenta riscos para o bebê que está sendo alimentado. Se a mulher que estiver amamentando apresentar alguma fissura mamilar sangrante ela pode transmitir doenças para o recém-nascido. Além do HIV, o bebê pode contrair várias doenças infectocontagiosas, como a hepatite B. Mesmo em casos em que a mulher não apresente nenhuma doença até aquele momento, ela pode estar na janela imunológica: período entre a infecção e a produção de anticorpos pelo organismo. É importante ressaltar que os recém-nascidos não têm o seu sistema imunológico formado e são mais suscetíveis a contrair enfermidades. No caso da hepatite, apesar do bebê receber as vacinas, pode levar um tempo até criar células de defesa. Vale lembrar que o sistema inteiro vacinal da hepatite é composto por 3 doses e o HIV, até hoje, não tem cura ou vacinação. Bancos de leite substituem a amamentação cruzada com segurança Uma mulher que apresenta dificuldade para amamentar pode procurar os bancos de leite humano (BLH) ou profissionais capacitados para atender essa demanda, como médicos pediatra e enfermeiros. Algumas mães podem se sentir inseguras em aceitar leite doado por banco de leite, afinal as doadoras são pessoas desconhecidas. No entanto, o alimento é super seguro. O leite dos BLH é preparado, pasteurizado e, por isso, isento de qualquer possibilidade de transmissão de doenças.  Benefícios do leite materno Já falamos sobre esse assunto em outros posts, no entanto, sempre vale a pena reforçar os benefícios da amamentação para a saúde dos bebês. O leite materno é uma substância viva, adequada às fases de vida de cada criança. Isso significa que mãe de um prematuro, por exemplo, irá produzir um leite específico para um bebê naquela faixa etária. Além disso, se o recém-nascido estiver com algum contágio esse alimento vai contribuir para a defesa do organismo no combate àquela infecção. O corpo da mulher entende que precisa liberar mais anticorpos na produção desse alimento rico, capaz de proteger os bebês. Além de interferir na imunidade, a amamentação cria vínculo afetivo entre a mamãe e o filhote. Para acessar mais conteúdos exclusivos, preparados pela nossa equipe multidisciplinar do Gestante Bem Cuidada, inscreva-se no programa. É só mandar uma mensagem para nós por e-mail gestantebemcuidada@gmail.com.br ou WhatsApp (41) 98858-5739.

Agosto dourado: conheça mais sobre a importância do aleitamento materno

Agosto dourado: conheça mais sobre a importância do aleitamento materno

07/08/2020

Alimento proporciona todas as proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água que o recém-nascido necessita para ser saudável Você sabia que a amamentação salva, todos os anos, mais de 820 mil crianças de até dois anos? Esse dado é da Organização Mundial de Saúde (OMS). Além de ser um alimento completo, o leite materno fornece ao recém-nascido os anticorpos fundamentais para protegê-lo no início da vida. Estudos comprovam que a mortalidade por doenças infecciosas é menor em crianças que passaram pelo aleitamento materno. O alimento completo, rico em proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água, também defende o organismo dos bebês contra infecções respiratórias, evita casos de diarreia e o seu agravamento, além de diminuir os riscos de alergia. Para conscientizar as famílias sobre a relevância do aleitamento materno na saúde dos recém-nascidos, em 2017, o Congresso Nacional Brasileiro instituiu, por meio da lei número 13.435, o Mês do Aleitamento Materno: o Agosto Dourado. A partir daí, o oitavo mês do ano é todinho dedicado a informar e debater sobre a importância de amamentar os bebês. A cor dourada foi escolhida porque remete ao ouro e serve como uma luva para representar esse alimento, que é precioso para a saúde dos bebês. Para muitas puérperas a amamentação é o maior desafio enfrentado nas primeiras semanas após o nascimento. Quando o bebê não faz a pega correta, amamentar pode ser bastante doloroso. Para dar suporte às mamães para que elas não desistam e coloquem em prática o aleitamento materno, no mínimo, nos seis primeiros meses de vida dos bebês, o Programa Gestante Bem Cuidada disponibiliza uma consultoria especializada. “Atendemos 24 horas e tiramos as dúvidas das puérperas sobre o aleitamento, ensinamos a fazer a pega correta e as acompanhamos pelo tempo que for necessário”, diz Manuela L. Gomes, coordenadora do Programa Gestante Bem Cuidada. Ela salienta que mesmo os recém-nascidos prematuros, de baixo peso, que estão internados em unidades neonatais e não podem ser alimentadas diretamente nos seios de suas mães, podem aproveitar todos os nutrientes do leite materno. “Para isso, é preciso sensibilizar as mães que estão amamentando, os profissionais de saúde e a sociedade sobre a importância da doação de leite materno para os bebês prematuros. Qualquer mulher que estiver amamentando pode ser doadora, basta ter realizado o pré-natal. A mãe que for doar o leite precisa ter alguns cuidados no momento da coleta”, explica Manuela.  Vale lembrar que, de acordo com a legislação RDC Nº 171, a doadora deve ser saudável, não usar medicamentos que impeçam a doação e se dispor a ordenhar e a doar o excedente a um banco de leite humano. Mais informações podem ser obtidas nos Bancos de Leite ou Unidade de Saúde.