Voltar

Perguntas e Respostas sobre o Coronavírus

Perguntas e Respostas sobre o Coronavírus
Com escalada do novo Coronavírus no Brasil, inclusive em estados como o Paraná e Santa Catarina (áreas de cobertura da Clinipam), a operadora está alertando seus pacientes para que mantenham a tranquilidade e sigam nossas orientações à risca, para evitar a disseminação do vírus e garantir o bem-estar do maior número de pessoas possível.

Preparamos uma cartilha, que pode ser baixada por meio do link, que será atualizada constantemente, de acordo com os possíveis avanços da doença no Brasil. Nesse material, você será informado sobre as formas de prevenção, como é feito o contágio, quais são os tratamentos para a Covid-19, além de como os clientes da Clinipam devem agir se apresentarem os sintomas da infecção pelo novo Coronavírus.

Esclarecemos que a doença causada pelo novo Coronavírus é a Covid-19, cujos sintomas se confundem com o de uma gripe ou resfriado comum:

- Febre;
- Coriza;
- Tosse seca;
- Dor de garganta;
- Dificuldade para respirar.

Grande parte dos doentes enfrentam uma infecção respiratória branda e de curta duração, totalmente tratável e curável.

A gravidade da Covid-19 não está somente relacionada a complicações ou ao elevado risco de morte, mas sim à rapidez da sua disseminação e, consequentemente, o grande número de infectados simultaneamente, saturando o sistema de saúde.

Se todas as pessoas que sentirem os sintomas gripais correrem para os hospitais e unidades médicas, haverá uma sobrecarga no sistema de saúde – público e privado -, que não dará conta de prestar o atendimento adequado a todos os pacientes. Além disso, a aglomeração de pessoas em espaços fechados, como os pronto-socorros e consultórios, favorece a disseminação do vírus. A consequência é clara: aqueles pacientes que estão passando por um quadro de gripe comum estarão expostos ao novo Coronavírus.

Por isso, alertamos nossos beneficiários que, ao sentirem os sintomas de gripe ou resfriado, permaneçam em suas casas, conforme a recomendação das autoridades de saúde e sanitárias. Antes de se direcionar às unidades próprias e hospitais, nosso beneficiário pode tirar dúvidas pelo aplicativo Dr. Clinipam, das 8h às 22h. Nossa equipe está preparada para passar as orientações necessárias sobre como devem proceder esses pacientes. Esse aplicativo pode ser baixado na App Store ou na Play Store.

A seguir, apresentamos um guia de perguntas e respostas para esclarecer as dúvidas mais frequentes da população em geral acerca da Covid-19.

O que é?

De acordo com as definições do Ministério da Saúde, o Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias, que variam do resfriado comum à Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). O novo agente do Coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. A maioria das pessoas se infecta com os Coronavírus comuns ao longo da vida.

Quais são os primeiros sintomas?

Febre alta, tosse seca persistente e dificuldade em respirar.

Quais as formas de contágio?

O contágio ocorre, principalmente, por meio de secreções de pessoas infectadas, como as gotículas na tosse ou espirro, além de contato com as mãos ou contato prolongado com os portadores do vírus.
Por isso, é fundamental adotar algumas medidas na convivência diária, no núcleo familiar, no ambiente de trabalho e em outros locais onde haja fluxo de pessoas, para a prevenção do contágio:

- Cubra o rosto ao tossir e espirrar, mas sem utilizar as mãos. Prefira lenço descartável ou o antebraço para proteger o nariz e a boca.
- Higienize as mãos com frequência, esfregando os dois lados das mãos (palma e dorso), a ponta dos dedos, os polegares e os pulsos, utilizando água e sabão ou álcool gel.
- Deixe os ambientes bem arejados e abra as janelas.
- Não compartilhe objetos pessoais como talheres, pratos, copos, garrafas, entre outros.

Qual o tempo de incubação do novo Coronavírus?

O tempo de incubação corresponde ao intervalo de tempo em que a pessoa recebeu o vírus até apresentar os sintomas, que pode variar de 4 a 6 dias. No entanto, há indivíduos que podem demorar até 14 dias para sentir os primeiros desconfortos da infecção pelo novo Coronavírus. Por isso, esse é o período estabelecido para a quarentena (isolamento). Se dentro desses 14 dias os sintomas não aparecerem, significa que o vírus não foi contraído por aquela pessoa.

Quem deve fazer o exame para testar a Covid-19?

Durante a avaliação médica, será analisada a necessidade de fazer o exame que testa a doença Covid-19.

Como o exame é feito?

Por se tratar de uma infecção respiratória, o diagnóstico da doença é feito a partir de uma amostra (swab) de orofaringe e nasofaringe (garganta e nariz) obtido com uma haste flexível.

Como tratar a doença?

Não existem vacinas e medicamentos desenvolvidos especificamente para tratar os sintomas da Covid-19. Os remédios prescritos são analgésicos e antitérmicos para aliviar o desconforto. Também é importante fazer repouso, ingerir bastante líquido e alimentar-se de forma saudável. Só serão internados pacientes que apresentarem quadro de pneumonia, insuficiência respiratória ou sinais de infecção generalizada.

Qual a diferença entre transmissão local ou transmissão comunitária ou sustentada?

A transmissão é local quando o paciente com a Covid-19 esteve em um País com registro da doença. Neste caso, a doença foi contraída por meio de contato com outra pessoa infectada fora do seu País de origem. Por isso é chamada também de transmissão importada. Foi desta forma que a Covid-19 chegou ao Brasil. Neste caso, é possível identificar o paciente responsável por trazer a infecção de fora e contaminar outra pessoa já no Brasil.

A transmissão sustentada ou comunitária ocorre quando uma pessoa que não esteve em nenhum País com registro da doença é infectada por outra pessoa que também não viajou. Foi esta a forma de disseminação da Covid-19 predominante na China, Coreia do Sul e Itália, atualmente também presente em todo o Brasil.

Quais os grupos mais vulneráveis à doença e suas complicações, que podem levar a óbito?

Idosos, diabéticos, hipertensos, portadores de insuficiência renal crônica e de doença respiratória crônica.

Quais são os riscos para gestantes, lactantes e crianças?

Esse público não apresentou gravidade na evolução da Covid-19. No entanto, recomenda-se às mulheres grávidas que não frequentem local de grande circulação. As crianças podem repassar o vírus para os mais velhos e portadores de doenças como diabetes, que reagem mal às infecções, daí a importância da suspensão das aulas. Ainda não há estudos que indicam a contaminação pelo novo Coronavírus via leite materno.

Qual a letalidade do Coronavírus?

Se comparada à letalidade do H1N1, que é muito baixa, ao redor de 0,1 a 0,2%, a média de letalidade da Covid-19 é maior. Até o dia 12 de março, a taxa média de letalidade na China era de 3,9% e, em outros países de 3,2%. A variação entre países pode ir de 0% a 6,6%, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). O vírus até agora mata mais que o da gripe Influenza, mas menos do que o de outros integrantes da família Coronavírus (Sars e Mers). 

Quem deve usar máscara?

Apenas as pessoas que estão contaminadas, para evitar a disseminação do vírus, se forem ficar perto de outras pessoas. Integrantes de equipes de saúde ou cuidadores e familiares que terão contato muito próximo com os infectados também devem utilizar a máscara.

Qual a orientação para os funcionários das empresas?

A adoção do trabalho remoto – conhecido como home office - é uma medida de segurança. Caso não seja possível, as empresas devem adotar as seguintes medidas:

- Colaboradores que tiveram contato com portadores/suspeitos de contaminação devem ficar em quarentena.
- Isolar, imediatamente, colaboradores que apresentarem sintomas de resfriado ou gripe.
- Funcionários doentes, principalmente com febre alta, devem ficar em casa.
- Intensificar a limpeza dos ambientes com água, sabão e desinfetante. As superfícies tocadas (como maçanetas, estações de trabalho, controles remotos, teclados, mouse) devem ser limpas com mais frequência. As empresas devem fornecer lenços e álcool para limpeza próximos a essas superfícies.
- Propor horários alternativos para os funcionários que usam transporte público, para que diminua o risco de exposição ao vírus em horários de pico.
- Fornecer lenços, álcool gel e sabão no maior número possível de locais dentro dos escritórios e fábricas.
- Orientar os funcionários quanto às formas de transmissão e precaução contra o novo Coronavírus.
- Ensinar o procedimento de tosse e espirro: cobrindo a boca com a parte interna do cotovelo e orientar a equipe a sempre higienizar as mãos com álcool 60-95% ou água e sabão por pelo menos 20 segundos.
- Manter a distância de 2 metros de pessoas que estiverem espirrando ou tossindo.
Veja mais notícias