Voltar

Câncer de mama tem cura

Câncer de mama tem cura

Nesse post vamos contar o que é Outubro Rosa e orientar nossas pacientes sobre a importância do diagnóstico precoce nos tumores de mama


Criado em 1990, nos Estados Unidos, o objetivo do Outubro Rosa é conscientizar as mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA) esses tumores representam 29,5% dos diagnósticos de neoplasia em mulheres. É o segundo tipo mais comum na população feminina, perdendo somente para o câncer de pele não-melanoma e o primeiro em mortalidade.

E quando falamos em prevenção, não podemos esquecer de mencionar a importância do autoexame, orienta o Dr. Cleverton César Spautz, mastologista da Clinipam, uma empresa do Grupo NotreDame Intermédica. “Temos a figura do médico, os exames como a mamografia, e a própria mulher como protagonista desse rastreamento. Nesse contexto, o autoexame é extremamente importante, sobretudo porque engaja a mulher no diagnóstico”, conta. 

Ele acrescenta que quando o nódulo ou tumor é perceptível no autoexame já é maior que aquele detectado na mamografia: exame que apresenta um diagnóstico na fase pré-clínica. “Apesar disso, as mulheres não devem esquecer do autoexame, principalmente porque parte delas não têm acesso à mamografia”, informa o Dr. Cleverton. 

Ele ressalta a importância do diagnóstico precoce: o ponto mais importante na expectativa de cura de uma paciente. A mamografia como método de rastreamento é responsável pela redução de 25% a 30% da mortalidade por câncer de mama. “Mulheres com diagnósticos em estágios iniciais, o estágio I, que são tumores restritos a mama e de pequeno tamanho, têm acima de 95% de chance de cura quando fazem o tratamento. A diferença entre um diagnóstico precoce e um diagnóstico tardio é absurda em termos de perspectiva de cura. E a mamografia é a principal ferramenta para detectar esse tipo de câncer”, afirma. 

Recomenda-se às mulheres realizarem esse exame anualmente a partir dos 40 anos de idade. O mastologista da Clinipam esclarece que existia uma grande discussão sobre a serventia da mamografia entre os 40 e 50 anos de idade. E publicações científicas recentes, desse ano de 2020, apontam que o benefício desse exame é claro quando se trata da redução de mortalidade. “Apenas em populações de maior risco, como histórico familiar e confirmação genética a mamografia é realizada a partir dos 30 anos e intercalada com a ressonância magnética de mama”, diz o Dr. Cleverton. 


Hábitos saudáveis previnem câncer de mama 

Dietas ricas em gorduras, aumento de peso e sedentarismo aumentam o risco do câncer de mama, principalmente quando a mulher está na pós-menopausa. Daí a importância de adotar um estilo de vida saudável. “Alimentação balanceada, controle de peso e prática de exercícios físicos regularmente são extremamente relevantes. Vale lembrar ainda que mulheres que passaram pelo tratamento de câncer de mama e tiveram ganho de peso de 10 quilos ou mais, aumentam a chance de recidiva”, finaliza o Dr. Cleverton. 

Veja mais notícias