Voltar

Estilo de vida saudável previne o câncer

Estilo de vida saudável previne o câncer
Apenas 5% dos casos estão relacionados à hereditariedade; alimentação equilibrada, exercícios físicos e relações interpessoais são antídotos para evitar doenças

Hoje, 4 de Fevereiro, é Dia Mundial do Câncer. Criada nos anos 2000, a iniciativa global é organizada pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS). O objetivo é conscientizar a população em geral e as autoridades políticas a olharem com mais atenção para o controle do câncer, que pode evitar milhões de mortes no mundo todo a cada ano.

Uma das maiores dúvidas sobre a doença é sua relação com a herança genética. Apesar de ser desencadeado por alterações nos genes, no DNA das células, nem sempre o câncer é hereditário. Apenas em 5% dos casos uma pessoa nasce com predisposição ao câncer, segundo o Instituto Oncoguia. Os outros 95% dos casos correspondem ao nosso estilo de vida, o que coloca os tumores na lista de enfermidades que podem ser evitadas.

E é sobre isso que vamos falar no post de hoje. O médico de família do Centro de Qualidade (CQV) de Vida da Clinipam GNDI, Rafael Mendonça Rey dos Santos, esclarece que os hábitos e condições de trabalho e moradia são as principais causas de adoecimento, em geral, e são determinantes em casos de câncer, inclusive.

Na lista das medidas que devemos adotar para alcançar qualidade de vida, bem-estar e longevidade, segundo o médico, estão a alimentação saudável, o consumo moderado de álcool, a eliminação do tabaco ou drogas de abuso, a prática de atividade física regularmente e o controle do estresse no cotidiano. “Todas essas são as principais medidas de prevenção para evitarmos doenças como o câncer”, diz Rafael dos Santos.

No prato das principais refeições não podem faltar legumes, frutas e verduras. Os alimentos integrais também são essenciais para o bom funcionamento do organismo. Portanto, quando o assunto é a alimentação, vale a máxima: ‘descascar mais e tirar menos da lata’. “Nossa dieta diária deve ser a mais natural possível. E se pudermos investir em orgânicos, vale muito a pena. Quanto mais processado for um alimento, maior a probabilidade de estar associado ao adoecimento”, explica o especialista. Ele diz ainda que, além de causarem a obesidade, os produtos industrializados podem gerar degradação de pequenas porções do DNA, cujas consequências são as manifestações neoplásicas: “por isso, se o alimento vem em um ‘pacote’ e é industrializado, via de regra, deve ser evitado ou consumido com bastante moderação”, alerta Rafael dos Santos.

Ainda segundo o especialista, cerca de 13 tipos diferentes de câncer estão associados ao excesso de peso - como esôfago (adenocarcinoma), estômago (cárdia), pâncreas, vesícula biliar, fígado, intestino (cólon e reto), rins, mama (mulheres na pós-menopausa), ovário, endométrio, meningioma, tireoide e mieloma múltiplo. “Dados indicam que cerca de 15 a 35% dos cânceres na Europa podem ser atribuídos à obesidade. Quando um indivíduo é obeso, tem uma chance de 1,5 a 3,5 vezes a mais de adquirir câncer em relação a uma pessoa com peso normal”, aponta.

Mexer o esqueleto é sinônimo de promoção da saúde

Todo mundo já sabe: praticar exercícios físicos é uma receita infalível para quem quer fazer as pazes com a balança e com o espelho. No entanto, os benefícios de se exercitar regularmente, na opinião do médico do CQV, vão muito além dos atributos estéticos. “As atividades físicas auxiliam no controle da obesidade e estão atreladas ao que chamamos de “promoção à saúde”, melhoram nosso humor, disposição, qualidade do sono, relacionamentos interpessoais, autoestima e interferem até no raciocínio”, argumenta.

Além do sedentarismo, outra questão que interfere na longevidade é a qualidade do nosso trabalho. “Atividades profissionais nas quais as pessoas estão sujeitas a alta carga de estresse têm efeitos colaterais graves e contribuem para adoecimento. As enfermidades geradas pela sobrecarga em nosso organismo vão desde saúde mental a doenças cardiovasculares e câncer precoce”, relata Rafael dos Santos.

As condições de moradia são mais um fator que reflete diretamente na nossa saúde. A poluição é prejudicial e é a segunda causa da mortalidade precoce, de acordo com a OMS. Há evidências também de que os poluentes favorecem tumores de pulmão e bexiga, conforme o Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Tabagismo é a primeira causa de morte evitável no mundo

Não tem nenhum glamour: fumar está totalmente fora de moda. O tabagismo é a primeira causa de morte evitável no mundo na atualidade. O câncer de pulmão é apenas uma das doenças causadas pelo cigarro.

De acordo com o CDC (uma agência do governo federal americana cuja missão é proteger a saúde pública, prevenindo doenças), entre 80% e 90% das mortes por câncer de pulmão nos Estados Unidos estão associadas ao uso de tabaco. “Pessoas que fumam tem uma chance de 15 a 30 vezes maior de desenvolverem câncer de pulmão em comparação à população em geral. Uma pessoa exposta à fumaça do cigarro de forma passiva está exposta aos mesmos riscos, ainda que ela própria não tenha decido fumar, o que vale para cônjuges e crianças”, ressalta Rafael dos Santos.

Ele relata ainda que, se considerarmos os cânceres, em geral, 27% das mortes por neoplasias podem ser atribuídas ao tabaco e cerca de 18% dos óbitos por doenças não comunicantes - quase 1 em cada 5 - são decorrentes desse comportamento. “Por isso, podemos afirmar que muitas mortes poderiam ser evitadas com esta mudança de hábito: o abandono do cigarro”.

Overdose de afetividade previne doenças

E para finalizar esse post com uma dose de otimismo, deixamos a notícia boa para o final. Você sabia que cultivar bons relacionamentos, aqueles que são duradouros, sinceros e verdadeiros, nos ajudam a melhorar nossas condições de saúde e evitar doenças?

Na visão do médico da Clinipam GNDI, apesar de vivermos em uma era em que o indivíduo e seus desejos são colocados como prioridade, sabemos que não conseguimos ir muito longe sozinhos. “Como diz o ditado: ‘uma andorinha sozinha não faz verão’. Um dos pontos em comum dos centenários é o envolvimento deles com sociedade, além de uma rede de relacionamentos saudáveis”, ressalta Rafael dos Santos.

Por fim, se existe mesmo algo que protege nosso organismo do mal é o escudo da felicidade. Sabe do que estamos falando? Ser feliz é uma condição complexa, que envolve fatores socioeconômicos. Mas o efeito imunizante da felicidade é só para aqueles que não colocam o bem-estar no pedestal das coisas inatingíveis, estimuladas pela sociedade movida por consumo. E preste atenção, esse é o conselho de um médico: “precisamos aprender a apreciar o presente, cultivar um coração grato e nos conectarmos com nossa espiritualidade”, afirma Rafael dos Santos.

O escritor Guimarães Rosa foi ainda mais longe. Para ele, a “felicidade se acha nas horinhas de descuido”. Só não vale deixar de lado o cuidado com a saúde.


Publicado em: 04/02/2021 Veja mais notícias