Voltar

Obesidade infantil no Brasil aumentou 10 vezes em quatro décadas

Obesidade infantil no Brasil aumentou 10 vezes em quatro décadas

Na Clinipam, crianças e adolescentes participantes do Programa Mova-se, que oferece orientações sobre como mudar hábitos a fim de evitar as consequências da obesidade infantil


Desenvolvido para atender famílias que precisam de orientação e estímulo para mudar o estilo de vida adotando hábitos saudáveis, o Mova-se atende as crianças e adolescentes e faz parte do Centro de Qualidade de Vida (CQV) da Clinipam. O programa é ofertado gratuitamente a pacientes em tratamento realizado pelo Ambulatório de Obesidade Infantojuvenil, da Unidade da Criança. Trata-se de mais uma frente da operadora no compromisso de atuar sob as premissas da medicina preventiva – desde a infância, tratando a causa da obesidade infantil.

O programa possui quatro meses de duração. E nesse tempo, as crianças e adolescentes mostram dedicação e força de vontade para fazer as pazes com a balança. “Os resultados do Mova-se são excelentes, pois é fantástico ver como as crianças e seus familiares conseguem absorver os aprendizados e iniciaram as mudanças que farão toda a diferença a partir de agora e no futuro”, celebra Taciana Bonet, gerente executiva da Coordenação do Cuidado. Ela salienta que o envolvimento familiar é crucial na inserção e manutenção de escolhas positivas e benéficas à saúde.

A médio e longo prazo, quando não tratada corretamente, a obesidade infantil pode causar ansiedade, irritabilidade e problemas sociais. “Buscar ajuda e mudar comportamentos melhora o sono, auxilia na imunidade e previne doenças mais sérias, como diabetes, pressão alta, problemas cardíacos e até mesmo alguns distúrbios psicológicos”, ressalta Taciana.

Dados de uma pesquisa do Ministério da Saúde em parceria com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), trazem informações alarmantes sobre a obesidade infantil no Brasil: nas últimas quatro décadas, o número de crianças e adolescentes de até 17 anos com sobrepeso aumentou em 10 vezes, sendo 13% dos meninos e 10% das meninas, nessa faixa etária. O estudo, que contou com entrevistas por telefone, revela ainda que 53% dos brasileiros estão acima do peso e 45,8% praticam atividade física insuficiente.

Como prevenir a obesidade infantil

Diante do cenário, a nutricionista especialista em Materno Infantil, Stephany Menezes, reforça que certas atitudes precisam começar ainda na gestação e fazer parte da rotina: da gravidez à introdução alimentar (aos seis meses de idade) e ao longo da vida. “Devemos deixar de lado os doces, refrigerantes, salgadinhos de pacote e guloseimas em geral”, exemplifica. E completa: “os pais são espelhos para os filhos, ou seja, o que for consumido por eles será copiado. Quanto mais cedo iniciarmos o processo, mais significativos serão os resultados”, alerta.

Atualmente, o que se vê é que muitas famílias acabam recorrendo às opções processadas - ofertadas indiscriminadamente nas prateleiras dos supermercados - como uma alternativa rápida diante da correria do dia a dia. “Porém, na infância, a alimentação saudável é de extrema importância para o crescimento e desenvolvimento, assim como praticar esportes”, adverte a nutricionista. Segundo ela, somado ao fato de que hoje em dia os pequenos passam muito tempo em frente às telas, o sedentarismo tem contribuído para elevar as taxas de obesidade infantil. “Raramente saem de casa para brincar e ainda consomem alimentos pobres em nutrientes e ricos em calorias vazias, que não agregam em nada”, lamenta.

Nunca é tarde para rever hábitos

Adotar uma dieta equilibrada e deixar o sedentarismo de lado não requer apenas coragem, mas também muito aprendizado e autoconhecimento. Atenta a essa necessidade, a Clinipam reforça a importância da prevenção por meio da força-tarefa que une conscientização e bem-estar, incluindo fazer as pazes com a balança - evitando assim os males relacionados ao excesso de peso. “Para isso, os programas do CQV estão à disposição dos pais e responsáveis para que busquem auxílio e tirem dúvidas relacionadas à nutrição, emagrecimento e exercícios”, orienta a gerente, Taciana Bonete. 

Ministrado por uma equipe multidisciplinar - formada por médicos, educadores físicos, psicólogos e nutricionistas -, no Mova-se a programação é bastante variada no intuito de ser atrativa para todos. “Os encontros são dinâmicos e incluem aulas para o preparo de refeições saudáveis, jogos, atividades lúdicas, tarefas a serem cumpridas em casa e acompanhamento emocional”.

Segundo Taciana, é importante que os pais fiquem atentos, porque nem sempre uma criança com sobrepeso ou obesidade aparenta estar acima do peso. “A orientação é que verifiquem como está a relação peso e altura nas consultas ao pediatra”. Não à toa, os pacientes que participam do Mova-se são indicados conforme avaliação médica.

Veja mais notícias