Voltar

Leite materno: o melhor alimento do mundo

Leite materno: o melhor alimento do mundo


Além de uma forma de carinho da mãe para o bebê, o aleitamento materno proporciona todas as proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água que o recém-nascido necessita para ser saudáve


Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a amamentação salva, todos os anos, mais de 820 mil crianças de até dois anos. No leite materno, a criança encontra não só as substâncias necessárias para a sua nutrição, mas também anticorpos fundamentais para protegê-la no início da vida. Estudos comprovam que a mortalidade por doenças infecciosas é menor em crianças que são amamentadas. O leite materno também garante proteção contra infecções respiratórias, evita casos de diarreia e o seu agravamento, além de diminuir os riscos de alergia.

Além de todos os benefícios que o aleitamento materno oferece para a saúde dos recém-nascidos, a amamentação é um dos momentos mais aguardados pelas mamães. “O ato de amamentar é instintivo e é um tempo de conexão entre a mãe e o bebê”, diz Taciana Mattos Ribeiro Bonete, enfermeira obstétrica (COREN 273.068) e gerente da unidade Ginecológica Obstétrica da Clinipam.

No entanto, nem sempre a amamentação é um momento prazeroso para mamães e filhotes. Muitas mulheres enfrentam dificuldades e, diante da dor dos seios machucados, acabam desistindo. Foi assim com Janaina Santiago da Silva. “Nas duas primeiras semanas, a amamentação foi um pesadelo. Quando chegava a hora, sentia muitas dores e tinha fissuras nos seios. Meu leite demorou para descer por conta da cesárea. Minha bebê não sabia mamar e eu não sabia ensinar. O resultado? Muito choro de nós duas”, relembra.

Foi na unidade Materno Infantil da Clinipam que Janaina encontrou o apoio que precisava para contornar as dificuldades. Com atendimento 24h, a unidade oferece consultoria em aleitamento materno dentro do Programa Gestante Bem Cuidada, que conta ainda com grupos para discussão de todos os assuntos relacionados ao pré e pós-parto. “Oferecemos um curso de aleitamento materno onde falamos sobre os benefícios da amamentação, pega correta, possíveis dificuldades e como solucioná-las. Após o nascimento, enquanto ainda está internada, a mamãe recebe a visita da enfermeira obstétrica para tirar dúvidas e fazer a avaliação da mamada”, conta Taciana Bonete.

Janaina participou do curso durante a gestação e precisou contar com o apoio da equipe especializada nas primeiras semanas. “Eu assisti a palestra do programa, mas depois não pesquisei mais sobre o assunto. Tive mastite em um dos seios e ia toda semana até o plantão obstétrico da Clinipam. Lá, aprendi a fazer a ordenha e a pega correta, sempre acompanhada da equipe de enfermagem”, comenta.

Amamentar é para todas as mamães

De acordo com Taciana, todas as mães tem capacidade de produzir o leite que o bebê precisa. “Cada mãe produz o leite correspondente à idade gestacional do bebê. Se o bebê nasce prematuro, por exemplo, o leite desta mãe estará pronto e perfeito para o tamanho dele.” Nem mesmo cirurgias para redução de mama ou para colocar silicone são empecilhos para a amamentação. “Todas as mães devem ser estimuladas à amamentação, mesmo aquelas que passaram por procedimentos cirúrgicos nos seios e caso tenham dificuldade, devem procurar um serviço de saúde para auxilio”, complementa a gerente da Unidade Obstétrica Ginecológica da Clinipam.

Ela explica que a ideia de o leite materno de uma mãe pode ser fraco é um mito. “O leite pode variar de cor, mas todos são adequados sob o ponto de vista imunológico e nutricional. Todas as mulheres apresentam leite capaz de nutrir e proteger sua criança, portanto, não é necessário adicionar nenhum produto à alimentação no início da vida de um bebê. Vale destacar ainda que o leite da mãe já está na temperatura ideal para a criança”, acrescenta a especialista.

Campanha

No dia 1º de agosto é comemorado o Dia Mundial da Amamentação. A data foi criada em 1992 pela Aliança Mundial de Ação pró-amamentação (World Alliance for Breastfeeding Action - WABA), com a finalidade de promover o aleitamento materno e a criação de bancos de leite. A iniciativa garante melhor qualidade de vida para crianças em todo o mundo. A data é comemorada dentro da Semana Mundial de Aleitamento Materno, que ocorre em 120 países anualmente entre os dias 1º e 07 de agosto.

Neste mês de agosto a Clinipam promove mais uma edição de uma campanha para coleta de frascos para facilitar a ação do banco de leite. O frasco para doação deve ser de vidro, com tampa de plástico e com limite de altura de 14 cm. O local de coleta é na Unidade Ginecológica Obstétrica da Clinipam, que fica na Avenida Visconde de Guarapuava, 3077. Os frascos serão encaminhados para o Banco de Leite do Hospital de Clínicas do Paraná.

Segundo dados do Ministério da Saúde, nos últimos dez anos, quase 2 milhões de bebês foram beneficiados com a doação de leite materno. Um pote de leite doado pode alimentar até dez recém-nascidos por dia.


Veja mais notícias