Neurologia Pediátrica



A Neuropediatria, ou Neurologia Infantil, é uma especialidade médica que avalia e acompanha o sistema nervoso central e periférico das crianças, envolvendo o estudo do cérebro, cerebelo, tronco encefálico e nervos. Também possui grande importância no acompanhamento e tratamento de doenças que possam comprometer o desenvolvimento neurológico ou cognitivo comuns na infância, como meningites, encefalites, epilepsias, doenças do sono (sonambulismo, por exemplo), doenças musculares e dores de cabeça.

O especialista deve possuir formação em Medicina e especialização, sendo exigido ao menos um ano de treinamento em Pediatria, seguidos de seis meses ou um ano de formação de Neurologia Geral e, no mínimo, um ano e meio dedicados à Neurologia Pediátrica.

O tratamento de qualquer doença neurológica ou distúrbios dos sistemas nervoso central e periférico pode implicar na necessidade de outros profissionais atuando conjuntamente, porém a presença do Neuropediatra é imprescindível no acompanhamento e tratamento de pacientes até o término da adolescência.


Principais doenças tratadas pelo Neurologista Pediátrico

Dores de cabeça/cefaleia



As dores de cabeça em crianças costumam ser bastante comuns, sendo queixas bastante prevalentes na infância e adolescência, tendo causas variadas que precisam ser investigadas quando a presença das dores é frequente. Fatores como problemas de visão, relação nutricional ou estresse, além de sintomas resultante de vírus ou bactérias, podem ser a causa da cefaleia infantil.

O acompanhamento adequado e o diagnóstico correto com um Neuropediatra é fundamental para determinar as causas e os melhores tratamentos.


Paralisia Cerebral


A paralisia cerebral pode englobar diversas manifestações clínicas, mas que resultam em dificuldade motora devido à lesão cerebral. Nas crianças com dificuldade motora, as paralisias cerebrais são diagnosticadas quando a lesão cerebral ocorreu entre o desenvolvimento do sistema nervoso central.

Os sintomas também são bastante variáveis e dependem da gravidade e extensão da lesão. Além do comprometimento motor, pode haver crises convulsivas, alterações de visão e fala, problemas para alimentação e respiração, entre outros.

Por se tratar de uma lesão irreversível, a paralisia cerebral necessita de acompanhamento através de equipes multidisciplinares, que visam favorecer o melhor desenvolvimento da criança.




As crises epiléticas são causadas por descargas repentinas de energia elétrica no cérebro, com cargas maiores do que deveriam ocorrer. Os distúrbios ou alterações elétricas podem envolver os dois hemisférios do cérebro, configurando uma crise generalizada. Quando apenas uma parte é afetada, chama-se de crise parcial.

As crises epiléticas podem ser resultado de lesões cerebrais ocorridas durante o nascimento ou durante o desenvolvimento da criança, tumores, encefalite, meningite ou sarampo ou causas genéticas. O tratamento pode incluir intervenção cirúrgica ou medicamentos, além do acompanhamento multidisciplinar que visa amenizar as causas e controlar as crises epiléticas.


Principais atuações do Neurologista Pediátrico

Diagnóstico

A consulta com um Neurologista Infantil tende, primeiramente, a diagnosticar a causa ou doença que acomete a criança. Partindo do histórico familiar, relato da rotina e desenvolvimento, além dos sintomas e queixas, o Neuropediatra pode solicitar exames complementares e indicação de profissionais para atuar conjuntamente para determinar os próximos passos.

Acompanhamento



Diagnosticada a doença, o profissional irá realizar o acompanhamento médico, iniciando medicação ou terapias integradas. Além de acompanhamento após o diagnóstico, o Neuropediatra pode indicar acompanhamento preventivo, buscando diminuir a incidência de doenças genéticas.


Tratamento



Os tratamentos aplicados pelo Neuropediatra são bastante diversos, podendo variar da aplicação de medicação, rotina de exames ou indicação cirúrgica. Visando sanar as dores os distúrbios neurológicos infantis, bem como prevenir, retardar ou diminuir disfunções motoras.


Consulte sempre um médico.

Guia Médico