Definição


 

Nefrologia é uma especialidade médica que se dedica ao diagnóstico e tratamento de doenças do sistema urinário, principalmente relacionadas ao rim, seu principal órgão. O termo Nefros vem do Grego e significa rins.

Urologia é outra especialidade médica que cuida do trato urinário. As duas especialidades se complementam entre si e é muito comum que a população tenha dificuldade para atribuir as funções de cada uma delas. A Nefrologia tem como objeto de estudo o sistema urinário, enquanto a Urologia tem o geniturinário.

Para saber se um problema renal precisa ter o tratamento de um Urologista ou Nefrologista, é preciso compreender se este tratamento é feito com cirurgia ou com remédios. Caso ele seja cirúrgico, o especialista é o Urologista. Se a doença for clínica, o especialista indicado é o Nefrologista. Mesmo assim, o Urologista acaba tratando doenças da próstata e do sistema reprodutor masculino, por exemplo, mesmo que elas não sejam essencialmente cirúrgicas.


Nefrologista


O médico Nefrologista é aquele que estuda as funções e as doenças dos rins.

Aqui no Brasil, são precisos dez anos de estudo para uma pessoa se formar Nefrologista. São seis anos da faculdade médica, dois anos de residência ou estágio em uma clínica médica e mais dois anos de residência ou estágio em Nefrologia.

Entre as funções de um Nefrologista estão:

• A prevenção de doenças renais;

• Hemodiálise;

• Diálise peritoneal;

• Transplante renal;

• Hipertensão arterial (pressão alta)

• O diagnóstico e o tratamento de doenças renais com característica clínica, como litíase renal (pedra nos rins), doenças renais císticas, doença renal crônica, nefrites, hipertensão arterial (pressão alta), infecções urinárias e lesão renal aguda.


Aparelho urinário



O sistema urinário é o responsável por filtrar e eliminar a ureia e outras substâncias indesejáveis ou tóxicas do nosso organismo. Ele é formado por dois rins, dois ureteres, uma bexiga e uma uretra.

Os rins recebem o sangue das artérias renais, que se ramificam em várias artérias menores, chamadas de arteríolas aferentes. Cada uma dessas arteríolas se conecta a um néfron e se ramifica, formando um novelo conhecido como glomérulo renal.

Os rins produzem, diariamente, em torno de 160L de filtrado glomerular ou urina inicial, que é o líquido constituído de água e pequenas moléculas como ureia, glicose, aminoácidos e sais que saem para a cápsula renal. Porém, graças ao túbulo do néfron, que faz a reabsorção da água, forma-se apenas 1,5L de urina, que posteriormente é eliminada pelos ureteres para a bexiga urinária.

A bexiga é uma bolsa muscular localizada na pelve onde a urina é acumulada e lançada para fora do organismo pela uretra. Em um adulto, ela tem capacidade para acumular até 300ml de urina.


Os rins



O ser humano possui dois rins que medem em torno de 12cm em uma pessoa adulta e pesam, em média, de 130 a 170g cada um, sendo que o rim direito acaba sendo, quase sempre, menor em relação ao esquerdo e está situado um pouco abaixo. Outra característica é que os rins podem se movimentar verticalmente, de acordo com a respiração de cada indivíduo.

Diariamente, eles recebem em torno de 1.200 a 2.000 litros de sangue por dia que chegam das artérias renais.

Estão localizados nas costas, um de cada lado da coluna e são protegidos pela 10ª e 12ª costelas torácicas. Suas extremidades superiores estão localizadas na altura dos arcos costais mais inferiores.


Para que servem os rins?

• O rim controla o volume de líquidos do organismo;

• O rim exerce controle sobre os sais do organismo, eliminando excessos de medicamentos e outras substâncias ingeridas ou poupando-os em caso de situações de carência;

• Devido ao controle do volume de líquidos e sais, ele possui influência direta na pressão arterial e venosa do nosso organismo;

• O rim produz e armazena hormônios como a eritropoietina, vitamina D e renina.

Quando procurar um Nefrologista?

Você deve consultar um Nefrologista quando houverem sinais de alterações renais como:

• Micção alterada (dor, ardência, aumento da frequência ou mau cheiro);

• Levantar muitas vezes à noite para urinar sem razão;

• Micção com coloração diferente do amarelo claro ou com presença de espuma;

• Exame de urina que apresentar proteínas, sangue, glicose, pus, cilindros e bactérias;

• Edema de mãos, pés ou olhos;

• Dor lombar com urina escura ou sanguinolenta;

• Dor em cólica com ou sem eliminação de cálculo;

• Pressão arterial elevada;

• Palidez ou anemia que não corresponde ao uso de medicamentos com ferro;

• Histórico de doença renal familiar como rim policístico, cálculo renal, hipertensão, diabetes, cálculos, cistos renais ou outras doenças renais;

• Caso de Diabete Mellitus com mais de 5 anos de evolução;

• Ecografia ou radiologia ocasional que demonstre rins com alteração de tamanho, presença de cálculos, tumores ou cistos;

• Inchaço ao redor dos olhos e nas pernas;

• Dor lombar, que não demonstra mudança com movimentos;

• Histórico de pedras nos rins.

Prevenção


É preciso atenção para quaisquer um dos sintomas apresentados anteriormente, para que, em caso de doença renal, o diagnóstico possa ser dado a tempo do tratamento ideal.

Pacientes com mais de 40 anos precisam fazer uma consulta médica com Nefrologista anualmente e realizar os exames de dosagem da creatinina no sangue e exame de urina.

Para pacientes com diabetes, pressão alta, histórico familiar de problemas renais, pedra nos rins, histórico de nefrites ou infecção na infância, recomenda-se consulta e seguimento do tratamento com um médico Nefrologista regularmente.

Doenças Comuns

Diabetes Mellitus


O Diabetes Mellitus, conjunto variado de doenças que se configuram por aumento da glicose no sangue, é uma das maiores causas de doença renal com necessidade de diálise. Aproximadamente 25% das pessoas com diabetes tipo I e 5 a 10% dos portadores de diabetes tipo II desenvolve insuficiência nos rins.

Qualquer pessoa com diabetes (tipo I ou II) corre o risco de desenvolver doença renal. A nefropatia diabética se manifesta após vários anos depois de o paciente contrair diabetes.

Insuficiência renal


Insuficiência renal aguda pode ser definida como a perda da capacidade dos rins de realizar a filtração de resíduos, sais e líquidos do sangue. Em caso da doença, os resíduos podem chegar a níveis perigosos e afetar diretamente a composição química do sangue e trazer severos desequilíbrios no organismo.

A doença é comum entre pacientes já em condição hospitalar com alguma outra condição, já que pessoas que estão doentes e necessitam de cuidados intensivos estão em maior risco de desenvolver insuficiência renal.

Glomerulopatia



Glomerulopatia é um grupo de doenças que atinge os glomérulos, estrutura microscópica existente nos rins que são responsáveis pela filtração do sangue e produção da urina. Podem existir diversos tipos de glomerulopatias. A mais comum delas é a glomerulonefrite, uma inflamação dos glomérulos.

Infecção urinária



A infecção urinária é o nome dado a alguma infecção que acomete uma das estruturas do sistema urinário: rins, bexiga ou uretra. Geralmente é causada por uma bactéria.

Existem três tipos de infecção do trato urinário, que são classificadas da seguinte maneira:

• Pielonefrite: infecção nos rins.

• Cistite: infecção na bexiga.

• Uretrite: infecção na uretra.

Cálculo Renal (pedra nos rins)